“Se tivermos a ideia de que estamos distantes da robotização, vamos estar sempre distantes”

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
CEO da Dalca Brasil, Bruno Dal Fré, destacou no encontro as oportunidades de automação no Brasil | Foto: Barbara Salvatti

CEO da Dalca Brasil, Bruno Dal Fré, participou de encontro de startups em Bento Gonçalves

A Dalca Brasil participou do Pitch Day, encontro de startups que movimentou o Centro da Indústria, Comércio e Serviços de Bento Gonçalves (CIC-BG) na quinta-feira (07). Numa rápida apresentação da empresa de soluções robóticas, o CEO da Dalca, Bruno Dal Fré, destacou que é necessária uma mudança de cultura nas organizações brasileiras para que os conceitos da indústria 4.0 avancem no país. “Nossa indústria está ainda no 2.0. Robótica e automação são indústria 3.0. Na Europa, já se fala em 5.0, então temos que fazer essa transição de forma inteligente”, disse.

Hoje, enquanto a média mundial de robôs instalados para cada 10 mil trabalhadores é de 113, no Brasil é de apenas 14. “Estamos atrasados, mas também temos muitas oportunidades para evoluir”, observou Dal Fré. Para ele, investir em tecnologia, primeiramente, é uma decisão do empresário que, depois, precisa ser dissipada para toda a organização. “Não é comprar tecnologia e está pronto. Isso é 50% do processo. A outra parte é mudar a empresa para ela absorver essa tecnologia e você produzir com aumento de eficiência. É sempre uma decisão de cima para baixo”, analisou.

Para isso, é preciso pensar enxergando as inúmeras possibilidades de futuro. “Já ouvi que o que fazemos é para a indústria automotiva, que eu estava maluco. Se tivermos a ideia de que estamos distantes da robotização, vamos estar sempre distantes”, disse. Dal Fré também falou sobre os benefícios colhidos por quem aposta na tecnologia. Citou, entre outros, o aumento da competitividade, da produtividade e da qualidade, a redução de custos e a segurança no chão de fábrica. O CEO ainda comentou sobre as avalições que precisam ser feitas para os investimentos, como peças de reposição, operadores capacitados e cálculo de payback. “Uma vez, o retorno demorava cerca de cinco anos, em alguns até sete anos. Hoje, já temos caso em que o retorno foi de oito meses. Nosso conceito é fazer automação fácil e flexível”, destacou.

Compartihe:

Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no pinterest
Pinterest
portrait-of-handsome-male-builder-laughing-infront-Q8N7DXV.jpg
Join our newsletter and get 20% discount
Promotion nulla vitae elit libero a pharetra augue